quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Quem forma a opinião dos 'formadores de opinião'?

A terceira edição da pesquisa Barômetro de Imprensa, divulgada na quinta-feira (9/10), traz alguns dados interessantes sobre os jornalistas brasileiros. Quinhentos e sessenta e três profissionais de mídia (320 de meios impressos, 111 de veículos online, 77 de TV e 55 de rádio) responderam ao questionário enviado por e-mail, em setembro, aos 39.772 listados no mailing da Maxpress. A pesquisa é realizada bimestralmente pela FSB Comunicações e seu relatório completo está disponível aqui [arquivo PDF, 1,5 MB, arquivo em zip].

Vale a pena listar alguns dos resultados:

1. A internet ultrapassou o jornal impresso como principal fonte de informação no trabalho dos jornalistas. Para 57% dos entrevistados, sites e blogs da internet constituem as principais fontes de informação usadas cotidianamente no trabalho jornalístico.

2. Apesar da internet, os jornais são lidos diariamente pela maioria dos jornalistas de todas as mídias pesquisadas, em índices superiores a 80%.


3. A Folha de S.Paulo é o jornal mais lido pelos profissionais de mídia em São Paulo: ele foi indicado por 73,1% dos entrevistados, contra 62,7% de O Estado de S. Paulo (cada jornalista podia fazer até duas indicações).


4. No Rio de Janeiro o preferido é O Globo (69%) e Folha aparece em segundo lugar, com 32,2% das indicações.


5. Nos resultados apurados com os 208 jornalistas entrevistados nos demais estados (excluindo Rio e São Paulo), o nome na liderança é a Folha de S.Paulo, seguida pelo Estado de S. Paulo e pelo Globo .


Fonte: Veja materia completa Observatório do direito a comunicão

5 comentários:

nando disse...

Na internet mesmo eu acesso sempre mais a Folha do que o Estadão, e acredito que também a grande maioria sempre acessa mais a Folha.
E realmente a internet tende a ultrapassar cada vez o jornalismo impresso como meio de informação, isso é inevitável.

Rodrigo Piva disse...

Acredito que há espaço tanto para internet quanto para mídia impressa, prova disso é o aumento na venda de jornais, pelo menos aqui em São Paulo. Leio Folha e Estadão pela internet, além de blogs e notícias de grandes portais. Mas por preferência gosto mais de ler revistas e jornais impressos. Mas, por questão de tempo e economia só leio jornais pela net.

Beijão

Margareth Bravo disse...

Olá amiga!
Penso que a mobilidade do mídia impressa faz com que ela se mantenha, entretanto vejo cada vez mais possibilidade de crescimento no interesse por notícias da internet, devido ao fato de ser desvinculada de interesses de mercado, bem como ds famosas matérias pagas e censuras que bem sabemos existir. A liberdade de expressão e clareza de fatos é obviamente mais contundente na internet, o que permite uma valoração dos temas com isenção. Um exemplo disso é uma famosa universidade que foi considerada a pior do Brasil, não ter tido por parte da imprensa nehuma investigação profunda, os orgãos reguladores como Mec e Minsitério do trabalho também nada fizeram e ninguém toma conhecimento do que por lá acontece, procurei jornalistas diversos para denunciar e nada acontece, existe muito dinheiro e poder envolvido, talvez na internet seja possível vincular, o único problema, é que eles mandam matar.
A mídia impressa está presa aos interesses capitalistas , é preciso filtrar toda informaçãoe ter um senso crítico razoável, para nãos ser manipulado.
Um grande abraço

Wander Veroni disse...

Oi, Sandra!

O bom da internet é a diversidade de informação, de forma muito rápida, basta um clique. Também acredito que os jornais impressos não vão acabar, mas vão ter que mudar o formato ou linha editorial. Cobrir o ontem não dá mais. Creio que o espaço da opinião e da análise nos jornais impressos aumentará.

Abraço,

=]

-------------------
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Catarino disse...

A internet é mais rápida, mas leio dois jornais impresso também.