domingo, 20 de julho de 2008

Aposentar, jamais. Quem fica parado é poste!

Tecnicamente, idoso é aquele que tem 60 anos ou mais, e nesse leque amplo não é difícil achar brasileiros que trabalham, por prazer ou necessidade. Mas completar 60 e poucos anos na ativa é bem diferente do que chegar aos 80, 90, encarando uma rotina de batente diário, qualquer que seja ele.

Para homens e mulheres na faixa dos 80, atividade profissional é um bom combustível para uma vida longa e saudável


O estudo, com 660 pessoas, revela que idosos que encaram positivamente o envelhecimento podem viver uma média de 7,6 anos mais do que aqueles para quem a idade é um peso.


"Os não fumantes que fazem exercícios vivem ainda mais. Cerca de dois a três anos", disse a psicóloga Becca Levy, da Universidade de Yale, à agência Reuters.


A receita para uma cabeça boa é ainda mais simples. "O cérebro precisa de estímulo para continuar ativo. Isso acontece também com os músculos: se você engessa uma perna, ela demora a voltar aos movimentos normais", compara Wilson Jacob Filho, diretor de geriatria do Hospital das Clínicas.


Aposentar-se é ainda mais complicado para aqueles casos em que trabalho e identidade se confundem. "O advogado renomado, que deixa de ser reconhecido como tal por causa da idade, pode sofrer uma queda na auto-estima", diz o geriatra Clineu de Mello Almada Filho, da Unifesp. Por isso, é fundamental manter algum projeto pessoal. "Não precisa ser, necessariamente, em uma instituição ou empresa", diz.
[por Paulo Sampaio]
Revista da Folha

1 comentários:

Elizabeth Carvalho da cruz disse...

Se sentir útil e auto suficiente é primordial a quem chega a terceira idade.
A inércia torna a velhice
insuportável, com certeza.
Abraço Sandra